Meu novo Blog

27 de mai de 2011

Alerta à Nação Brasileira

Um dos papeis da Igreja na sociedade é ser uma consciência profética capaz de ajudar a cada ser humano (entendido como um indivíduo livre e competente diante de Deus e dos homens, vivendo em uma sociedade pluralista) a discernir valores essenciais que norteiam os relacionamentos em todas as suas dimensões.

É nesse contexto que os batistas – integrantes de uma denominação cristã que, ao longo de toda a sua história, defende a liberdade religiosa, de consciência e de expressão – se manifestam para alertar sobre os perigos que a sociedade brasileira corre diante das novas conjunturas sociais aprovadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e que estão sendo propaladas por leis que tramitam no Congresso Nacional e por ações promovidas pelo Executivo.

Assim, alertamos para o perigo:

• De construir uma sociedade em que a legalidade pode ser estabelecida pelos interesses políticos e inclinações pessoais, como ocorreu no caso da releitura contraditória feita pelo STF do artigo 226 da Constituição Federal. O artigo diz:

“Art 226 - A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.
(...)
§3o – Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.
§4o – Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes.
§5o – Os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher.

Quando uma casa que tem como principal missão defender a Constituição a rasga, corremos o perigo de viver um Estado jurídico de exceção, ao qual a nação brasileira não deseja retroceder.

• De destruir o conceito de família (que não é só cristão, mas universal e multicultural) para reconstruí-lo sob a égide somente da afetividade e não em toda a dimensão de suas funcionalidades como base da sociedade.
• De criar uma sociedade em que os valores essenciais são relativizados, pois onde tudo é relativo nada sobra para apoiar os alicerces do nosso futuro.
• De viver em uma sociedade que abandona os valores divinos revelados nas Escrituras Sagradas, pois a História, desde os tempos bíblicos, têm demonstrado que sociedades que abandonaram os valores mais elementares implodiram por perderem os seus pilares sustentadores – ainda que tenham sido, em algum momento, grandes potências no contexto universal.

Tais atitudes nada mais são do que a iniqüidade institucionalizada. Assim, conclamamos a sociedade brasileira a continuar mostrando que existem opiniões divergentes. Sem discriminação e com respeito a cada indivíduo, tais manifestações visam a defesa de valores pessoais e sociais, com integridade. Somente quando todos os segmentos da sociedade se expressam é que as forças políticas de nossa nação se sensibilizam para obviedade dos valores essenciais, como no caso recente da decisão de nossa presidente, Dilma Rousseff, ao impedir a distribuição do chamado “kit contra a homofobia ” nas escolas públicas.

Curitiba, 27 de maio de 2011

Pr. Paschoal Piragine Jr.
Presidente da Convenção Batista Brasileira.

Fonte: http://www.batistas.com

Por que o PLC 122 é inconstitucional?

Antes de fazer qualquer comentário, é importante frisar que uma coisa é criticar conduta, outra é discriminar pessoas. No Brasil, pode-se criticar o Presidente da República, o Judiciário, o Legislativo, os católicos, os evangélicos, mas, se criticamos a prática homossexual, logo somos rotulados de homofóbicos. Na verdade, o PL-122 é contra o artigo 5º da Constituição, porque o projeto de lei quer criminalizar a opinião, bem como a liberdade religiosa.

Vejamos alguns artigos deste PL:

Artigo 1º: Serão punidos na forma desta lei os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual, identidade de gêneros.

Comentário: Eles tentam se escorar na questão de raça e religião para se beneficiar. O perigo do artigo 1º é a livre orientação sexual. Esta é a primeira porta para a pedofilia. É bom ressaltar que o homossexualismo é comportamental, ninguém nasce homossexual; este é um comportamento como tantos outros do ser humano.

--------------------------------------------------------------------------------

Artigo 4º:Praticar o empregador, ou seu preposto, atos de dispensa direta ou indireta. Pena: reclusão de 2 a 5 anos.

Comentário: Não serão os pais que vão determinar a educação dos filhos — porque se os pais descobrirem que a babá dos seus filhos é homossexual, e eles não quiserem que seus filhos sejam orientados por um homossexual, poderão ir para a cadeia.

----------------------------------------------------------------------------

Artigo 8º-A: Impedir ou restringir a expressão e a manifestação de afetividade em locais públicos ou privados abertos ao público, em virtude das características previstas no artigo 1º desta lei. Pena: reclusão de dois a cinco anos.

Comentário: Isto significa dizer que se um pastor, ou padre, ou diretor de escola — que por questões de princípios — não queira que no pátio da igreja, ou escola haja manifestações de afetividade, irão para a cadeia.

--------------------------------------------------------------------------------

Artigo 8º-B: Proibir a livre expressão e manifestação de afetividade do cidadão homossexual, bissexual ou transgênero, sendo estas expressões e manifestações permitidas aos demais cidadãos ou cidadãs. Pena: reclusão de dois a cinco anos.

Comentário: O princípio do comentário é o mesmo que o do anterior, com um agravante: a preferência agora é dos homossexuais; nós, míseros heterossexuais, podemos também ter direito à livre expressão, depois que é garantida aos homossexuais. O parágrafo do artigo que vamos comentar a seguir "constituiu efeito de condenação".

--------------------------------------------------------------------------------

Artigo 16º, parágrafo 5ª:O disposto neste artigo envolve a prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica.

Comentário: Aqui está o ápice do absurdo: o que é ação constrangedora, intimidatória, de ordem moral, ética, filosófica e psicológica? Com este parágrafo a Bíblia vira um livro homofóbico, pois qualquer homossexual poderá reivindicar que se sente constrangido, intimidado pelos capítulos da Bíblia que condenam a prática homossexual. É a ditadura da minoria querendo colocar a mordaça na maioria. O Brasil é formado por 90% de cristãos. Não queremos impedir ou cercear ninguém que tenha a prática homossexual, mas não pode haver lei que impeça a liberdade de expressão e religiosa que são garantidas no Artigo 5º da Constituição brasileira. Para qualquer violência que se cometa contra o homossexual está prevista, em lei, reparação a ele; bem como assim está para os heterossexuais. A PL-122 não tem nada a ver com a defesa do homossexual, mas, sim, quer criminalizar os contrários à prática homossexual — e fazem isso escorados na questão do racismo e da religião.

Pr. Silas Malafaia
Fonte: http://www.vitoriaemcristo.org/_gutenweb/_site/hotsite/pl-122/

17 de mai de 2011

Stephen Hawking: "Não há céu nem vida após a morte"

O astrofísico norte-americano Stephen Hawking, de 69 anos, afirmou em entrevista à edição desta segunda-feira do diário inglês The Guardian que a vida após a morte não passa de um “conto de fadas” para pessoas com medo de morrer...Eu considero o cérebro como um computador que vai parar de trabalhar quando seus componentes falharem. Não há céu nem vida após a morte para computadores quebrados, isto é um conto de fadas para as pessoas com medo do escuro – disse ao jornal britânico...Nos anos 80, Hawking dizia que uma teoria do tudo, a qual Einstein buscava e que poderia explicar todas as forças e partículas do Universo, seria o que levaria o homem a “conhecer a mente de Deus”. Agora, o astrofísico descarta a vida após a morte e diz que devemos focar nosso potencial na Terra fazendo bom uso de nossas vidas. (Fonte:http://correiodobrasil.com.br/hawking-vida-apos-a-morte-e-conto-de-fadas-para-quem-tem-medo/240620/) - Correio do Brasil, nº 4154, de 17/05/11.

Para quem nunca esteve do lado de lá, e que aqui vive totalmente aprisionado pela realidade física, material e temporal, não teria bom senso em dar palpite quanto este assunto. Mas todos tem o direito de errar. Que visão curta, pra não chamar de ignorância, comparar o ser humano (obra prima de Deus) com uma máquina. Jamais um computador chegará à inteligência, à cognitividade, à criatividade, à emotividade ou a qual outra característica peculiar de um ser humano. Fosse assim, o próprio Hawking já teria trocado algum "hardware" defeituoso do seu corpo ou feito um update de seu cérebro.

Parece que a teoria M (sobre surgimento do Universo/homem) vai ser resumida assim: O homem evoluiu do macaco e virou um computador!!!

Como diz a Bíblia: "Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos." (Romanos 1:22)

9 de mai de 2011

Joquebede - uma mãe corajosa.

Cerca de 1500 a.C., no Egito, o povo de Israel vivia escravizado sob o império de Faraó (provavelmente Tutmose I). No entanto, "quanto mais os aflingiam tanto mais se multiplicavam" (Ex 1.11). Então, Faráo, temendo o fortalecimento do povo de Deus e uma possível rebelião (Ex 1.9,10), decretou um infanticídio sistemático (Ex 1.15-22).

Surge então a figura de uma mãe, Joquebede, que tendo um filho, ainda conseguiu escondê-lo por 3 meses dos autrozes assassinos (Exodo 2).
E agora? A cada dia fica mais difícil esconder a criança. Na verdade já havia sido um milagre guardá-la durante esse tempo. Joquebede provavelmente se deparou diante de vários dilemas. Ela já tinha 2 filhos, Arão e Mirian. Quem sabe alguém até a aconselhou a entregar ou abandonar o menimo. Porém, Joquebede era israelita (princesa de Deus) e esposa de um levita (adorador do Senhor). Ela confiava no Deus de Abraão, Isaque e Jacó.
Assim, ela toma uma decisão de fé e de coragem, porque colocara o menino num cesto para descer o Rio Nilo cheio de hipopótamos e crocodilos (http://ciencia.hsw.uol.com.br/rio-nilo3.htm), enquanto Mirian observava aonde o cesto chegaria, mostrando que sua atitude não foi a de uma mão "desnaturada" abandonando o filho, mas, de uma atitude de plena confiança na providência divina. Confiança essa comprovada pelos fatos a seguir: o cesto chega às margens do palácio real, onde a filha de Faraó se banhava. Mirian, penetrando entre as servas, se dispõe a encontram um ama para cuidar do menino. Maravilhosamente é a própria Joquebedeque quem cria o garoto e ainda com salário pago pela filha de Faráo, aleluia!!! E somente quando o menino fica grande é oficialmente adotado pela filha de Faraó.

Porém, Joquebede não estava frustrada. Deus guardou seu filho da morte, lhe permitiu criá-lo nos caminhos do Senhor e com as melhores condições da época, e agora seu filho vai morar no palácio de Rei, ser um prícipe do Egito. Como se já não bastasse, 80 anos depois, ele será escolhido por Deus para voltar para seu povo, ser o libertador de Israel e tornar-se um dos maiores líderes da história da humanidade: Moisés.

Imagine agora se Joquebede simplesmente abortasse a Moisés por receio de não poder criá-lo diante de circustâncias tão desumanas e opressoras.
E se depois dos 3 meses ela friamente o abandonasse completamente sem provêr quem cuidasse dele?

Como nos tempos de Moisés, há um sistema satânico que continua ameaçando o futuro de nossas crianças. Que Deus levante corajosas "Joquebedes" para confrontar esta triste realidade pelo poder da fé.

Pr. Ronaldo Lucena
(um filho grato à Deus por sua mamãe Norma)